Os melhores concertos de 2014

Este é o primeiro de três posts sobre o melhor da música em 2014.

Os melhores concertos de 2014

Acho que nunca vi tão poucos concertos num ano como em 2014.

É possível que isto diga algo sobre a forma como me tenho relacionado com a música nos últimos tempos… mas acho sinceramente que diz um pouco mais sobre a programação de concertos em Portugal nos dias que correm.

Como é muito mais rentável e muito menos arriscado realizar um festival em que se misturam nomes seguros e uma ou outra aposta menos conhecida, parece simplesmente que já não há concertos, há festivais. O Davide Pinheiro já abordou o assunto na sua Mesa de Mistura, comparando os grandes festivais a “um verão de Albufeira” e eu não poderia concordar mais. E entre o verão de Albufeira e a Vogue Fashion Night Out da música, venha o diabo e escolha.

Não há foco, não há profundidade nos concertos, há som de uns palcos a inundar outros, há demasiadas pessoas que não querem saber de um, de vários ou até de todos os artistas. As marcas, que são uma queixa habitual de quem frequenta festivais, são um mal menor para mim – compreendo a necessidade de as envolver e, enquanto não entrarem no palco (ou se puserem à minha frente) durante um concerto, estou bem.

Mas percebem porque é que vi tantos concertos, certo? Porque não vou pagar três ou quatro vezes mais o que pagaria para ver Daughter só porque também lá vão os Arctic Monkeys. Grosso modo, é isto.

E é com este péssimo espírito natalício que vos apresento os melhores concertos de 2014:

Continuar a ler

10 canções essenciais de Simon & Garfunkel

10 canções essenciais de Simon & Garfunkel

Nas últimas semanas, decidi mergulhar na música de Simon & Garfunkel. Fi-lo porque conhecia muito pouca coisa – quase nada, na verdade. E fi-lo à minha maneira, de forma intensa e quase doentia, ouvindo todos os álbuns de estúdio da dupla norte-americana de uma ponta à outra repetidamente.

A grande influência de Paul Simon na música popular das últimas décadas não termina com o seu trabalho com Art Garfunkel mas é certo que começa aí mesmo. A folk cristalina, as harmonias vocais e os grandes temas comuns abordados nas letras contribuíram para marcar o ritmo da folk mas também de vários outros géneros da música popular norte-americana.

Depois de semanas a ouvi-los quase sem parar, não podia deixar de partilhar os frutos desta minha experiência musical. Aqui fica, sobretudo para quem anda tão distante deles como eu andei durante este tempo todo, o meu guia de canções essenciais de Simon & Garfunkel.

Continuar a ler

YouTube Music Key: o que aí vem

YouTube Music Key

O YouTube entrou oficialmente na luta do streaming de música com o YouTube Music Key. A Google desvendou finalmente o serviço de streaming de música que todos esperavam (porque o Google Play Music All Access aparentemente não existia), um serviço totalmente baseado no YouTube e que promete ser o primeiro grande concorrente do Spotify.

Continuar a ler

Em defesa de Plans

Death Cab For Cutie - Plans

Cruzei-me com os Death Cab For Cutie pela primeira vez em 2005, poucos meses antes do lançamento de Plans. Estou certo de que ouvi Transatlanticism e me maravilhei com cada canção, cada verso, cada refrão. Estou certo, também, de que isso me fez ouvir Plans, editado no final de agosto desse ano, de uma forma diferente.

Na altura, a minha reação não foi boa. Achei o álbum circular, quase vulgar (não ponho aspas para evitar o ridículo de me citar a mim próprio mas as palavras são exatamente estas) e chutei-o para o canto dos álbuns olvidáveis.

Em minha defesa, parece-me claro que os Death Cab For Cutie são das bandas mais irregulares que por aí andam – e não é coisa de agora. Não há, com a possível exceção do maravilhoso Transatlanticism, álbuns dos Death Cab For Cutie sem pontos baixos. Plans parecia-me, em 2005 e sem grande conhecimento de causa, um disco em que os pontos baixos pesavam muito mais do que os altos. E é assim, como diria Kurt Vonnegut.

Continuar a ler

Future Islands no Musicbox: grandiosidade em pequena escala

Future Islands no Musicbox

“The people want it all”, dizem-nos os Future Islands na emblemática “Grease”. E é caso para dizer que quem tudo quer, tudo tem. Pelo menos assim aconteceu no concerto que a banda deu no Musicbox, integrado no festival Jameson Urban Routes.

Momentos antes de os Future Islands entrarem em palco sentiam-se no ar as grandes expectativas, ou não fosse a entrega em palco de Samuel T. Herring a principal razão do recente sucesso de uma banda que já andava há uns bons anos nestas andanças. No público alguém dizia “será que o homem tem espaço para a sua performance?”, mas cedo as expectativas se transformaram em êxtase quando todos percebemos que os Future Islands não vinham a Lisboa a passeio. O palco podia ser pequeno, mas por momentos quase parecia que era o maior do mundo e que não eramos 300 pessoas fechadas numa sala, mas sim uma multidão num estádio de futebol. Não há espaço que consiga conter a grandiosidade de uma banda.

Continuar a ler

As 10 melhores músicas dos The Knife

The Knife

Assustadoras vozes distorcidas. Sons ridículos que parecem uma brincadeira. Figuras mascaradas. Um suave aroma caribenho. Músicas aparentemente construídas com base em sons de garfos a bater em copos. Podemos dizer tudo isto sobre os The Knife, mas o que quererá isso tudo dizer ao certo? Assim descrito parece que falamos de uma banda estranha que não pode ser levada muito a sério, e se assim pensarmos, pensaremos errado.

Continuar a ler

Thom Yorke lança Tomorrow’s Modern Boxes via BitTorrent

Thom Yorke - Tomorrow's Modern Boxes

O anúncio foi feito esta sexta-feira: Thom Yorke tem um novo álbum, que disponibilizou através de BitTorrent. Chama-se Tomorrow’s Modern Boxes e também está disponível numa maravilhosa edição em vinil para os fetichistas dos discos.

Continuar a ler

Deixem os U2 em paz

One: o número de unidades que o novo álbum dos U2 venderia se não fosse oferecido pela Apple

Muito se tem dito sobre a oferta do novo álbum dos U2 a 500 milhões de utilizadores Apple, uma ação anunciada no evento de apresentação dos novos iPhone 6, iPhone 6 Plus e Apple Watch na semana passada.

Songs of Innocence foi adicionado automaticamente à lista de álbuns adquiridos de todas as pessoas que receberam esta oferta (entre os quais me incluo), tendo inclusivamente sido descarregado automaticamente para os diversos dispositivos Apple dos utilizadores que têm a opção de download automático ativada (não é o meu caso).

O drama.

Continuar a ler