Boa música portuguesa

Ando a ouvir muita música portuguesa. Quer dizer, pelo menos para aquilo que costumava ouvir (que era quase nada).

A culpa é, grosso modo, do B Fachada e da Sílvia. E atenção aos pormenores: a Sílvia não gosta do B Fachada e, tanto quanto sei, o B Fachada nunca ouviu falar sequer da Sílvia. A relação de ambos começa e acaba na culpa que ambos têm neste meu novo momento.

Começo pela Sílvia, que é muito fácil de explicar. Ela está envolvida no Offbeatz e impinge coisas aos amigos. Ainda nem sequer ouvi Noiserv, Minta ou Guta Naki com muita atenção… mas as recomendações dela deixaram-me mais disponível para ouvir outras coisas. Quanto ao B Fachada, bem, contribuiu para que começasse a ouvir… B Fachada.

Existe uma ideia de que, à medida que envelhecemos, perdemos o interesse em coisas novas. No meu caso, é mais ou menos assim… mas a verdade é que vou descobrindo coisas que já estão mortas e enterradas para o resto do mundo. Se é novo para mim… é novo. Enfim, vocês percebem.

De qualquer forma, admito a minha resistência às coisas novas de que toda a gente fala normalmente. Já sou velho há muitos anos.

Mas estou aqui a tentar combater isso. Olhem para mim aqui todo empenhado na música portuguesa. Deixo-vos só três bons exemplos. E deixo de fora uma série de outros igualmente válidos.

Márcia editou agora o seu primeiro álbum a solo e eu ainda nem sequer o ouvi. Mas um bocadinho do concerto dela no Super Bock Em Stock, um EP e uns vídeos aqui e ali já me convenceram. Fiquem com “Misturas”.

O segundo exemplo não acabou de chegar nem vai desaparecer tão cedo. Samuel Úria é um dos mais talentosos escritores de canções da sua geração e “Nem Lhe Tocava”, que empresta o nome ao álbum de estreia do artista, explica eloquentemente o que quero dizer.

Por fim, o B Fachada. O tipo tem uma voz que custa a entrar (sobretudo se forem ouvir aquela versão da “Etelvina”) mas isso passa e é compensado por tudo o resto. As letras têm humor e engenho, as músicas são de fácil (mas demorado) consumo. B Fachada já aí tem B Fachada é Pra Meninos mas eu vou buscar “O Desamor” do álbum de estreia.

Artigos relacionados:

4 pensamentos em “Boa música portuguesa

  1. Bons exemplos (só o Nuno Prata é que não me diz mesmo nada), de facto, embora nenhum deles me diga tanto como os exemplos que dei. ;)

    Mas há mais… como aqueles que refiro logo no início do texto ou Diabo na Cruz, por exemplo.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>